Engenharia Florestal

Preocupado com o mercado de trabalho para engenheiro florestal? Leia este post

mercado de trabalho para engenheiro florestal

A engenharia conta com diversas especialidades que chamam muito a atenção dos jovens que desejam entrar em uma faculdade. Para fazer uma boa escolha, a recomendação é pesquisar bastante o funcionamento dos cursos superiores e as oportunidades de emprego em cada área. Por isso, avalie como está o mercado de trabalho para engenheiro florestal.

Essa iniciativa é indispensável para verificar como a carreira está valorizada e se vale a pena investir nela para ser um profissional de sucesso. Tenha muita curiosidade para tirar as suas dúvidas e decidir, com mais segurança, a melhor opção para você.

Para ajudá-lo nessa tarefa, destacaremos diversos fatores ligados à profissão de engenheiro florestal. Confira!

Vale a pena seguir carreira em engenharia florestal?

Uma das grandes atribuições do profissional da área é contribuir para o desenvolvimento sustentável apoiando práticas que propiciam o uso adequado dos recursos naturais. Segundo o coordenador do curso de engenharia florestal da FARO, Eugênio Pacelli Martins, o trabalho do engenheiro florestal tem como foco a conservação da natureza.

“Quando falamos de conservação, estamos falando de utilização desse meio. O engenheiro florestal é o único profissional preparado para intervir na floresta de forma sustentável que possa garantir os recursos econômicos e florestais”, afirma.

O coordenador também ressalta que o manejo florestal é muito importante para o meio ambiente. “Essa atividade só tira os indivíduos de interesse comercial e a floresta fica, você não tem que derrubar. Nós, os engenheiros florestais, somos os profissionais capazes de intervir na floresta para garantir a continuidade dela com sustentabilidade”, enfatiza.

Trabalhos

Na avaliação de Martins, a carreira se caracteriza por várias áreas de atuação. “Na cidade, trabalhamos com licenciamento ambiental, geoprocessamento e regularização de áreas urbanas, além da arborização e paisagismo de praças, jardins, vias públicas e condomínios. Na área urbana, atuamos também nas estações ecológicas e parques”, detalha.

Outro aspecto relevante destacado pelo coordenador é a ligação da engenharia florestal com outras engenharias: “existe um profissional adequado em relação à silvicultura da árvore. Não é simplesmente ter uma calçada e plantar alguma coisa, não funciona assim. É preciso um estudo para que se possa trabalhar adequadamente”, ressalta.

Martins também menciona a diferença entre a engenharia florestal e a ambiental. “Esta mexe com resíduos sólidos, esgoto, tratamento. A engenharia florestal trabalha com ecossistemas, ecologia, harmonia e revitalização das áreas degradadas”, explica.

Ele ainda destaca a demanda de trabalho em Rondônia. “No Estado, há 120 mil propriedades rurais, e uma parte dessa propriedade rural tem que ficar na floresta. Em 80% delas o manejo florestal só pode ser feito pelo engenheiro florestal. Ele também é responsável pelo georreferenciamento e do cadastro ambiental rural”, informa.

O coordenador aponta os motivos para escolher a graduação de engenharia ambiental e apostar na carreira. “Se você se identifica com a área rural e ambiental, o curso que vai te proporcionar lidar com esse meio. A profissão tem um leque de oportunidades para você trabalhar. Só para ter uma ideia, há mais de 700 atribuições — é muita coisa”, comenta.

Você conhece 7 áreas de atuação do engenheiro florestal?

Se está interessado no mercado de trabalho para engenheiro florestal, é indicado conhecer algumas áreas de atuação nessa carreira. Pensando nisso, abordaremos 7 delas agora mesmo.

1. Analista de viveiros florestais urbanos

Atua para que as cidades tenham mais áreas verdes. Ele trabalha para que existam muitas árvores em praças, parques, ruas. Além disso, defende a existência de reservas, como a da Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro.

2. Auditor fiscal do meio ambiente

É uma função pública que tem concursos para órgãos municipais, estaduais e federais. Fazem parte das atribuições combater a extração irregular de madeira, fiscalizar indústrias, controlar o funcionamento de aterros sanitários e emitir alvarás para a realização de obras.

3. Educador ambiental

No setor público e na iniciativa privada, o engenheiro florestal pode participar de projetos que ensinam técnicas de cultivo e de extração de produtos que aproveitem os recursos naturais de forma sustentável. Essa iniciativa é adotada em comunidades em que os habitantes têm menos instrução, como também nos colégios.

4. Gestor de florestas plantadas e nativas

É uma das profissões mais valorizadas no mercado de trabalho para engenheiro florestal, pois atua para a exploração dos recursos naturais ser realizada de maneira sustentável. As indústrias do setor de celulose, ONGs e empresas voltadas para obtenção de crédito de carbono requisitam bastante o serviço desse profissional.

5. Gestor de reservas ecológicas

Além de conhecimentos técnicos, os alunos fazem matérias ligadas ao segmento de administração na faculdade de engenharia ambiental. Isso permite ao futuro profissional que ele tenha condições de gerenciar os trabalhos e a estrutura das reservas ecológicas.

6. Pesquisador

Estudos da indústria farmacêutica e da cosmética exigem a participação do engenheiro florestal para o aproveitamento adequado dos recursos naturais. O pesquisador também participa de trabalhos desenvolvidos por órgãos públicos, como o INMETRO e a Embrapa, que atuam com foco no desenvolvimento sustentável.

7. Professor universitário

Para quem gosta de ensinar, o mercado de trabalho para engenheiro florestal proporciona a oportunidade de dar aulas para estudantes universitários. Para isso, é recomendado fazer mestrado e doutorado na área. Quanto mais qualificações tiver, maiores são as chances de seguir a carreira acadêmica.

Mudanças

Segundo Martins, houve modificações no foco de trabalho do engenheiro florestal. “Quando comecei na carreira, há 35 anos, havia em Rondônia muita área de colonização, abertura, desmatamento e assentamento de pessoas. A preocupação maior era com a conservação dos recursos naturais. Hoje, o foco é conservar e promover o uso sustentável do meio ambiente. Estamos mais preparados para isso, porque a tecnologia avançou e temos instrumentos mais modernos”, pontua.

Para o coordenador, o mercado de trabalho para engenheiro florestal em Rondônia priorizará, no futuro, a busca pela interação entre a conservação e produção. “Haverá um maior interesse por alternativas que envolverão produtos florestais não madeireiros. Na conservação, as áreas de manejo terão como meta o uso de recursos de uma forma sustentável”, prevê.

Ele também considera que a demanda por madeira vai crescer junto com o número de habitantes no planeta. “Não existe ainda um processo de substituição da madeira, recurso renovável. Apesar de estarmos em um mundo digital, aumentou a demanda de papel, que precisa de árvores para ser fabricado. Felizmente, a tendência é fortalecer a via da conservação dos recursos naturais existentes”, acrescenta.

Como escolher um bom curso de engenharia florestal?

O primeiro passo para escolher uma boa graduação em engenharia florestal é pensar nos diferenciais oferecidos pela faculdade, segundo o coordenador. “No caso da FARO, temos aspectos muito positivos, como a nota 4 do MEC e o fato de ser o primeiro curso da área em Rondônia. Também nos destacamos pela quantidade de aulas práticas e teóricas, oferta de estágios e intercâmbios”, exemplifica.

Para Martins, outros fatores que devem ser considerados na hora de escolher um curso superior. “É preciso ver como a instituição preparar os alunos para o mercado. Também é válido verificar se há uma boa infraestrutura (laboratórios, equipamentos etc.) e a qualidade dos professores”, acrescenta.

Na avaliação dele, o mercado de trabalho para engenheiro florestal é muito bom em Rondônia, o que é um ponto positivo para os alunos da FARO. “É uma profissão nova em relação às demais. É possível atuar na área urbana e na rural, além do setor de manejo. Se você quer um meio ambiente ecologicamente justo, sustentavelmente equilibrado e economicamente viável, faça engenharia florestal”, enfatiza.

Chegamos ao fim deste post. Se deseja mais informações sobre os cursos superiores da FARO, entre em contato conosco agora mesmo. Estamos à disposição para tirar as suas dúvidas e ajudá-lo a conquistar o sucesso profissional!

 

Deixar comentário.

Share This
0