Carreiras

Áreas da engenharia: quais são e como escolher!

clique na imagem para se inscrever

Clique na imagem para se inscrever!!

Pela tradição e importância na sociedade, ser engenheiro é sinônimo de status social e expectativa de ótimas colocações profissionais, características que levam muitos estudantes a buscarem por esse tipo de carreira. Mesmo assim, é importante pensar em qual engenharia escolher para não comprometer o futuro profissional.

Hoje, há diversas áreas de engenharia existentes. Por isso, é necessário contar com muito estudo e paciência para verificar qual delas é mais adequada para quem deseja fazer um curso superior e se destacar como engenheiro.

Este post foi feito exatamente para te ajudar a realizar uma escolha tão importante. Para isso, abordaremos as principais áreas da engenharia, considerando as demandas no mercado de trabalho. Também mostraremos o que você deve tomar como base na hora de decidir qual engenharia cursará. Não perca tempo e confira agora mesmo!

Conheça as principais áreas da engenharia

Com a especialização cada vez maior dos segmentos científicos e profissionais, o número de engenharias aumentou de modo considerável nos últimos tempos, chegando a 34 atualmente.

Muitas delas, entretanto, são bastante específicas e com baixa demanda mercadológica, tornando as engenharias tradicionais excelentes possibilidades de escolha pelos estudantes. Conheça as principais delas!

Engenharia Civil

engenharia civil pode ser considerada a mais tradicional entre as diferentes áreas. Ela é responsável pelo planejamento, a execução e a supervisão dos mais variados tipos de edificações, como casas, prédios, indústrias, barragens, pontes, estradas, viadutos. É uma área profissional que desenvolve e implementa técnicas para promover qualidade e segurança nas obras.

engenheiro civil projeta, gerencia e executa as fases relativas às diversas obras. Esse profissional também analisa a viabilidade técnica e econômica de projetos, inspeciona construções, emite laudos e presta consultorias.

Para isso, os alunos, durante a faculdade, cursam disciplinas que abrangem gerenciamento de materiais, técnicas de edificações e estudos de solos, meio ambiente e eletricidade.

Engenharia Florestal

engenharia florestal tem como foco otimizar a produção de bens provenientes de recursos florestais, por meio do manejo de florestas com vistas a suprir a demanda por produtos.

É a área que se responsabiliza pela gestão da produção florestal, por meio do estabelecimento de práticas de extração e cultivo que são ecologicamente sustentáveis e economicamente viáveis ao mesmo tempo.

engenheiro florestal elabora estudos de economia florestal e impacto ambiental, executa manejos de fauna, projeta colheitas e transporte florestal, bem como gerencia unidades de conservação.

Para executar essas ações, durante o curso de engenharia florestal, o universitário estuda matérias ligadas à gestão da produção, tecnologia de madeira, botânica, silvicultura, recursos hídricos, legislação ambiental e recursos florestais.

Engenharia Mecânica

A engenharia mecânica se ocupa da projeção, fabricação, análise e supervisão de operação de ferramentas e sistemas mecânicos de máquinas. Isso é possível porque os alunos do curso superior na área estudam disciplinas de projeto e construção de máquinas, geração de energia e manutenção, propulsão e análise estrutural.

O engenheiro mecânico planeja e gerencia máquinas nos segmentos automotivo, ferroviário, alimentício etc.

Engenharia Elétrica

A engenharia elétrica destaca as aplicações da eletrônica, da eletricidade e do eletromagnetismo em geradoras e distribuidoras energéticas, bem como na indústria.

Para fazerem essas atividades com perfeição, os estudantes cursam, durante a faculdade, matérias de circuitos elétricos, eficiência energética, instalações elétricas, instrumentação eletrônica e conversão de energia. O engenheiro elétrico otimiza a produção, o armazenamento e a distribuição de energia.

Engenharia Biomédica

Com um grande crescimento nos últimos anos, a engenharia biomédica tem como principal meta o desenvolvimento tecnológico dos sistemas de saúde. Esse segmento da engenharia está dividido em quatro áreas: bioengenharia, engenharia clínica, engenharia médica e biológica e engenharia de reabilitação.

A primeira atua na interpretação dos fenômenos e sistemas biológicos, servindo de base para diversos estudos. A segunda trabalha em fazer com que os hospitais tenham uma gestão mais eficiente dos equipamentos e de outros recursos tecnológicos.

A engenharia médica e biológica tem ações direcionadas para a elaboração de projetos e execução de atividades técnicas de saúde, como os processos na área de microeletrônica (segmento que atua na integração e na redução de tamanho de componentes eletrônicos). A engenharia de reabilitação visa possibilitar a recuperação física dos pacientes e tem relação direta com a fisioterapia.

Um engenheiro biomédico tem como uma das principais atribuições participar da concepção e manutenção de equipamentos que contribuam para melhorar o diagnóstico e o tratamento dos pacientes. Ele também é responsável por desenvolver softwares que aperfeiçoam o uso de aparelhos utilizados em hospitais, laboratórios e centros de pesquisa.

Em geral, a graduação dura 5 anos. Nela, os universitários fazem diversas matérias, como bioquímica, eletrônica, engenharia clínica, gestão em saúde, informática e telemedicina.

Engenharia Mecatrônica

engenharia mecatrônica está em evidência atualmente. Um dos motivos é ter uma relação direta com a automação industrial, que é cada vez mais utilizada para gerar mais eficiência e produtividade para empresas de diversos setores, como o automobilístico.

O curso tem como meta fazer com que os futuros engenheiros tenham condições de gerenciar a produção de uma indústria por meio de computadores. Além disso, apresenta como característica marcante contar com diversas disciplinas para acompanhar as mudanças tecnológicas que mais impactam as empresas.

O engenheiro mecatrônico pode realizar diversas atividades em uma companhia, como implantar, operacionalizar e gerenciar equipamentos e sistemas, que são responsáveis por viabilizar a automação industrial.

Esse profissional também participa de projetos relacionados com outros ramos da automação, por exemplo, a comercial, a domótica (segmento que permite agilizar as tarefas domésticas) e a robótica.

Para se formar, é necessário estudar 5 anos. Ao longo da graduação, os estudantes fazem diversas matérias, como álgebra, introdução à manufatura mecânica, cálculo, controle e automação, elementos de máquinas, processamento de sinais e sistemas dinâmicos para mecatrônica.

No curso, os universitários também aprendem noções de computação, física e química. A intenção é fazer com que o profissional esteja bastante preparado para entrar no mercado de trabalho.

Engenharia da Computação

Contribuir para que mais profissionais projetem e façam computadores, sistemas e outros equipamentos é uma das prioridades do curso de engenharia da computação.

Também são metas dessa graduação possibilitar o desenvolvimento de softwares para o setor de telecomunicações e integrar os circuitos elétricos dos computadores. Embora tenha um foco para a computação, o curso engloba conhecimento de outras áreas da engenharia, como a ambiental e a mecânica.

Um engenheiro da computação pode criar de sistemas de monitoramento de estações tecnológicas. Atualmente, esse profissional também é requisitado para o desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis, que estão sendo cada vez mais utilizados no cotidiano para diversas atividades.

O gerenciamento de softwares, que são responsáveis por atividades comerciais e bancárias, é outra atividade realizada por um profissional dessa área. Ele também pode participar de iniciativas ligadas à automação e à robótica.

Para conseguir um diploma de nível superior, é necessário estudar 5 anos. Na graduação, é necessário fazer várias disciplinas, como eletrônica digital, engenharia de software, física, inteligência artificial, matemática, organização de hardware e de sistemas computacionais, química e tecnologia da programação.

Os estudantes ainda participam de aulas de Noções de Direito. Apenas terminam a graduação os que fazem o estágio obrigatório e entregam o trabalho de conclusão de curso.

Engenharia de Produção

O curso de engenharia de produção prioriza formar trabalhadores capacitados para implementar e desenvolver linhas de produção. Além disso, tem um conteúdo direcionado para áreas como administração e economia.

Dessa forma, contribui para que haja profissionais com um grande conhecimento para gerar mais eficiência e aumentar a produtividade de fábricas de diversos segmentos. Atualmente, é fundamental que uma empresa utilize recursos para expandir a produção e ter menos custos.

Há diversas opções para um engenheiro de produção desenvolver as suas atividades. Além da indústria, esse profissional pode prestar consultoria em instituições financeiras e organizações de vários ramos, como o têxtil e o automobilístico.

Por contar com um conhecimento bastante amplo em várias áreas, o engenheiro de produção pode elaborar o planejamento de escalas e acompanhar as atividades do setor de controle da qualidade em vários tipos de companhias.

Com a intenção de formar profissionais extremamente capazes de exercer várias funções, o curso de engenharia da produção tem uma duração de 5 anos. Além disso, apresenta uma grande variedade de disciplinas, como gestão de pessoas e qualidade, gestão financeira e econômica, informática, matemática e organização do trabalho.

Para receber o diploma, os universitários devem entregar uma monografia. Durante o curso, os estudantes fazem um estágio, que possibilita uma boa oportunidade de conseguir um emprego depois de terminar a faculdade.

Engenharia Ambiental e Sanitária

Preparar profissionais que ajudem a preservar o meio ambiente é o principal objetivo do curso de engenharia ambiental e sanitária. Hoje, é essencial desenvolver atividades que permitem o melhor gerenciamento da coleta e do tratamento de esgoto e o aperfeiçoamento do descarte de resíduos.

Com a expansão do conceito de desenvolvimento sustentável, o curso está ganhando cada vez mais espaço nas instituições de ensino superior. Isso também faz com que as empresas busquem colaboradores qualificados para executar ações que contribuam para a preservação ambiental.

Indústrias, construtoras, empresas de energia e o setor público estão adotando iniciativas que necessitam de profissionais capacitados para minimizar os impactos ambientais de atividades, como obras, implantação de fábricas, entre outras.

O estágio e o trabalho de conclusão de curso são obrigatórios durante a graduação, que pode ser finalizada em cinco anos. Nela, os estudantes fazem várias disciplinas, como biologia, cartografia, geologia, gestão ambiental, química, hidráulica, resíduos sólidos, saúde e segurança do trabalho.

Com certeza, um profissional formando em engenharia ambiental e sanitária terá boas chances de trabalho, caso aproveite os ensinamentos repassados durante o curso.

Saiba qual engenharia escolher

Para escolher a engenharia a ser feita não basta conhecer as principais áreas existentes, é necessário compreender aspectos relativos ao próprio perfil pessoal, além de ter informações sobre as demandas atuais do mercado de trabalho.

Por isso, daremos dicas de como analisar esses fatores, de modo que você seja capaz de descobrir qual a engenharia é ideal para você.

Descubra o que quer para a sua vida profissional

O primeiro passo a ser dado por quem está buscando identificar que tipo de engenheiro deseja ser é identificar os objetivos para a vida profissional.

É importante que sejam feitas perguntas como: em que tipo de instituição desejo atuar? Quero trabalhar em uma região específica? O que pretendo empreender? As respostas para essas questões são cruciais para a elaboração de um plano de carreira.

Neste ponto é importante que seja feita uma projeção sobre a carreira no futuro. Uma dica eficaz é imaginar de que forma o profissional deseja estar daqui a dez anos, de modo a considerar tipos de cargos possíveis, locais de trabalho, salários e até mesmo como conciliar a vida pessoal que se pretende ter com os objetivos profissionais almejados.

Entenda os seus gostos e preferências

Após analisar as metas de carreira, é fundamental refletir sobre os gostos e preferências, características que podem ser decisivas para escolher corretamente a engenharia a ser feita.

Isso é importante, pois há uma relação bastante estreita e direta entre obtenção de prazer com a profissão escolhida e alcance de sucesso na trajetória profissional. Nessa etapa, é essencial que o futuro engenheiro identifique e avalie o que gosta e o que não tem interesse.

Assim, se o estudante gosta de estar em contato com a natureza e se interessa por práticas ecológicas, por exemplo, fazer o curso de engenharia florestal pode ser uma excelente opção de carreira entre as diferentes áreas. É possível realizar esse tipo de reflexão com cada um dos campos de engenharia.

Analise as suas habilidades

Outra ação de grande importância é levar em conta as próprias habilidades na hora de escolher a engenharia. Por mais que um curso superior desenvolva competências específicas para o exercício de uma determinada profissão, ter certas aptidões ligadas a ela pode ser um diferencial tanto durante a faculdade quanto ao longo da carreira.

Assim, vale a pena fazer uma análise daquilo que se tem facilidade em executar, ao mesmo tempo em que se avalia as atividades desenvolvidas com mais dificuldade. Caso o estudante seja hábil para imaginar e articular possibilidades de construções, ainda que de maneira rudimentar, uma vez que ainda não tem o conhecimento técnico necessário, cursar engenharia civil pode ser uma ótima pedida.

Conheça o mercado de trabalho

De nada adianta identificar os objetivos profissionais, analisar os próprios gostos e avaliar as habilidades que possui para escolher uma engenharia sem considerar a demanda no mercado de trabalho. Isso por uma razão muito simples: quanto maior for a necessidade mercadológica, mais elevadas serão as chances na disputa por uma vaga.

Por isso, antes de decidir entre as áreas da engenharia, o estudante deve fazer uma pesquisa sobre a procura do mercado pelo tipo escolhido, as exigências de especialização, médias de faixa salarial e possibilidades de carreira.

Se deixar de fazer isso, por mais que a profissão de engenheiro seja promissora, o risco de dar um tiro no escuro será bem maior.

Se você quer mais informações sobre qual engenharia escolher, entre em contato conosco agora mesmo. Estamos à disposição para tirar todas as suas dúvidas!

Sobre o autor

Faculdade de Rondônia

Share This