Carreiras

O que é necessário para entrar no FIES? Tire suas dúvidas!

o-que-e-necessario-para-entrar-no-fies-tire-suas-duvidas.jpeg

Fazer uma faculdade é o desejo de muitos estudantes que estão concluindo o ensino médio. Porém, é comum surgirem dúvidas não apenas sobre qual curso superior escolher, mas, também, sobre financiamento estudantil. Algumas das mais recorrentes, por exemplo, são como entrar no FIES, como funciona o programa e quais as suas particularidades.

Pensando nisso, reunimos as principais questões sobre o assunto para esclarecê-lo e descomplicá-lo de uma vez por todas. Acompanhe!

O que é o FIES e como ele funciona?

Criado em 1999 pelo Ministério da Educação, o Fundo de Financiamento Estudantil -FIES, é voltado para estudantes que desejam fazer uma faculdade, independentemente do curso escolhido — seja ele direito, enfermagem, engenharia civil, engenharia florestal, administração ou ciências contábeis, por exemplo —, mas que não tem renda familiar que permita entrar numa instituição particular.

Ou seja, é uma oportunidade concreta para você ingressar no ensino superior e investir no seu futuro profissional, trilhando uma carreira promissora com reconhecimento e boa remuneração. Para isso, ele financia os custos do estudante com a graduação presencial em qualquer uma das universidades particulares aderentes ao programa.

O seu funcionamento é bastante prático. Isso porque a cada ano são abertas novas inscrições e, uma vez selecionado, você terá uma linha de crédito para arcar com o valor das mensalidades do seu curso. A devolução do aporte recebido também é simplificada e ocorre em três fases:

  • utilização: pagamento trimestral e que diz respeito aos juros incidentes, não excedendo o valor de R$ 150,00;

  • carência: prazo de até 18 meses após a graduação ser concluída no qual o estudante segue pagando, a cada três meses, apenas os juros incidentes;

  • amortização: período em que o valor da dívida começa a ser pago, podendo ser divido em parcelas iguais por até 156 meses.

​A partir de 2018, a fase da carência será extinguida devido às mudanças efetuadas pelo Ministério da Educação no fundo estudantil.

Quais os benefícios do programa e como são calculados?

Os benefícios do programa têm como principal característica a flexibilidade. Isso se deve ao fato de que você, como estudante, pode solicitar tanto o financiamento integral quanto parcial do seu curso — uma vantagem para quem é beneficiário de bolsa parcial do ProUni.

Para isso, é feito um cálculo que leva em conta cinco pontos específicos que garantem ou não a viabilidade de entrar no FIES: a sua renda mensal bruta, o comprometimento marginal da renda, a parcela a deduzir por renda, o valor mínimo de participação e o comprometimento efetivo do aluno.

Assim, evita-se que o orçamento mensal da sua família seja comprometido com o pagamento das mensalidades da sua graduação.

Outra vantagem é que, no modelo vigente até o final de 2017, a taxa de juros é de 6,5% enquanto em 2018, com as mudanças na contratação do fundo, ela vai ser ainda mais elástica — com taxas de juro 0 a 3% e definidas de acordo com a região em que você reside, modalidade de vaga e renda familiar.

Quais os requisitos para entrar no FIES?

Para entrar no FIES é preciso ter realizado o ENEM, não zerar a redação e obter nota mínima de 450 pontos. Outro detalhe importante é que a sua renda familiar não pode ultrapassar três salários mínimos.

Porém, em 2018, essa quantidade aumentará para até cinco salários mínimos. Além disso, há outros requisitos impostos pelo programa para que você esteja apto a utilizá-lo. São eles:

  • não ter inadimplência com o Programa de Crédito Educativo;

  • não ter bolsa integral do ProUni ou parcial em uma instituição diferente da qual você está inscrito no FIES;

  • não ter sido beneficiado pelo programa anteriormente;

  • não estar com matrícula trancada na universidade, ou seja, sem exercer o período letivo.

Como é o processo seletivo?

Para ser beneficiário do programa é preciso participar de um processo seletivo bastante similar ao do ENEM. Para tanto, você deve acessar o portal do SisFIES, que é o Sistema de Seleção do FIES. Nele, você vai ingressar com seus dados pessoais e e-mail válido.

A partir disso, basta validar o cadastro e preencher seu perfil com informações sobre o curso e instituição desejados para conferir a nota de corte e vagas disponíveis. Essa etapa é chamada de pré-seleção e é nela em que os estudantes são ou não classificados para entrar no FIES de acordo com o resultado que obtiveram no Exame Nacional do Ensino Médio.

O resultado final é posteriormente divulgado pelo site do Fundo de Financiamento Estudantil. Porém, caso você não seja selecionado na chamada oficial, não se preocupe. Afinal, também é formulado uma lista de espera justamente com o intuito de preencher as vagas ociosas.

Como fazer a inscrição?

Uma vez divulgado o resultado e você tenha sido selecionado, é hora de fazer a sua inscrição. Nesta fase, você tem exatos 5 dias para indicar qual o tipo de financiamento deseja contratar.

O segundo passo é a validação das informações cedidas ao SisFIES na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento, a CPSA, da sua universidade. Ao todo, você tem 10 dias para realizar esse processo, caso contrário, sua inscrição é preterida.

Por fim, será a hora de concluir e formalizar a adesão ao financiamento. Para isso, você deve comparecer ao Banco do Brasil ou a Caixa Econômica e efetivar a contratação do FIES.

O que fazer após conseguir entrar no FIES?

Uma vez que você se torna beneficiário do programa, pode ingressar na instituição de ensino, caso já não esteja matriculado nela. Porém, fique atento ao período de renovação do seu financiamento para o semestre seguinte, pois esse processo também é efetuado na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento da sua faculdade.

Ele é chamado de aditamento e pode ser simplificado ou não simplificado. O primeiro é quando o contrato do seu benefício permanece igual ao firmado anteriormente. Já o segundo, por outro lado, possui modificações contratuais em relação, por exemplo, à apresentação de documentos, sejam do estudante ou do fiador — caso você tenha um.

E aí, tirou suas dúvidas sobre como entrar no FIES e quais os pormenores desse programa de financiamento estudantil? Então aproveite e comece já a pensar no seu futuro profissional, pois ele começa com uma graduação em uma faculdade com corpo docente especializado, completa infraestrutura e cursos altamente conceituados!

Aproveite e saiba mais sobre FIES, além de dicas sobre ensino superior, assinando a nossa newsletter!

Sobre o autor

Faculdade de Rondônia

Deixar comentário.

Share This